Piczo

Log in!
Stay Signed In
Do you want to access your site more quickly on this computer? Check this box, and your username and password will be remembered for two weeks. Click logout to turn this off.

Stay Safe
Do not check this box if you are using a public computer. You don't want anyone seeing your personal info or messing with your site.
Ok, I got it
sexualidade
My Friends
Outras Páginas
Conceitos da Sexualidade

Para a maioria das pessoas, falar de sexualidade remete imediatamente ao ato sexual e à reprodução. Mas a sexualidade é muito mais abrangente. Pode ser definida como uma forma de expressão dos afetos, uma maneira de cada indivíduo se descobrir e descobrir os outros. A sexualidade engloba a identidade sexual (masculina e feminina); os afetos e a auto-estima; as alterações físicas e psicológicas ao longo da vida; o conhecimento anatômico e fisiológico do homem e da mulher; a higiene sexual; a gravidez, a maternidade e a paternidade; métodos anticoncepcionais; doenças sexualmente transmissíveis; os transtornos sexuais, entre outros.

A visão do sexo com finalidade reprodutiva foi uma norma de comportamento que vigorou com bastante força no Ocidente até o final do século XIX. Assim, toda atividade sexual – como a masturbação, a busca do prazer, as relações homossexuais – que fugia desse paradigma era considerada anormal. Freud foi um dos pioneiros que rompeu com esse conceito, ao afirmar que o sexo não tinha somente a função reprodutiva, pois ia além dos órgãos sexuais.

De acordo com o conceito contemporâneo, a sexualidade é uma experiência individual regida por diferentes desejos e condutas que a tornam um processo absolutamente pessoal e natural. A forma como cada indivíduo se percebe como um ser sexual, é intrínseca à sua natureza e não pode ser modificada por fatores externos como a moral, a religião e a imposição de papéis sexuais, sem que isto resulte em grande sofrimento e angústia.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, "a sexualidade humana forma parte integral da personalidade de cada um. É uma necessidade básica e um aspecto do ser humano que não pode ser separado de outros aspectos da vida. A sexualidade não é sinônimo de coito e não se limita à presença ou não do orgasmo. Sexualidade é muito mais do que isso. É energia que motiva encontrar o amor, contato e intimidade, e se expressa na forma de sentir, nos movimentos das pessoas e como estas tocam e são tocadas. A sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, ações e integrações, portanto, a saúde física e mental. Se saúde é um direito humano fundamental, a saúde sexual também deve ser considerada como direito humano básico. A saúde sexual é a integração dos aspectos sociais, somáticos, intelectuais e emocionais de maneira tal que influenciem positivamente a personalidade, a capacidade de comunicação com outras pessoas e o amor".




Caracteres sexuais secundários masculinos

Mudança na voz.

Desenvolvimento corporal por aumento da massa muscular.

Aumento do tamanho do pénis e dos testículos.

Poluções nocturnas.

Aparecimento do acne.

Aparecimento de pêlos nos órgãos genitais, axilas, etc.

Maior secreção da hormona testosterona



Caracteres sexuais secundários femininos

Alargamento das ancas. Maior acumulação de gordura no tecido adiposo.

Desenvolvimento dos seios e das ancas.

Menstruação mensal.

Aparecimento do acne.

Aparecimento de pêlos nos órgãos genitais, axilas, etc.

Maior produção da hormona estrogénio e progesterona.



              As alterações corporais são vivenciadas de forma diferente, de jovem para jovem. Podem aparecer sentimentos de vergonha, timidez, pudor e até ansiedade, nomeadamente em casa, junto dos pais e dos irmãos, e na escola, junto dos colegas e das colegas.

            Por outro lado as hormonas que são responsáveis por estas modificações, produzem um acentuado aumento do desejo sexual e das sensações eróticas. É a partir desta fase que se vai desenvolver a resposta sexual adulta.

            As relações entre os dois sexos também vão sofrer alterações importantes. É frequente professores e pais relatarem situações de afastamento e mesmo hostilidade entre rapazes e raparigas na escola, em casa ou em grupos de amigos.

            Outra manifestação é a constituição de grupos e de espaços ferozmente mono-sexuais (proibição absoluta dos rapazes entrarem nos grupos das raparigas e vice-versa). É como se houvesse um período em que se torna interiormente muito importante mostrar claramente, a si mesmo e aos outros, que se pertence a um sexo bem definido, com características muito específicas e opostas ao outro sexo.  



            Existe um misto de hostilidade e de jogo de provocação e sedução. Há um não querer e querer, um não precisar e precisar, um não gostar e gostar.

            Outro comportamento importante em alguns dos rapazes e raparigas pré-adolescentes é a masturbação que funciona como uma descoberta do corpo e de novas sensações. Pode ser vivida com um misto de prazer e de curiosidade, mas também com muitas dúvidas ou culpabilidades, dados os comentários negativos ou o silêncio dos adultos sobre este assunto.

            Esporadicamente, alguns adolescentes podem envolver-se em relações sexuais. Este não é, no entanto, um comportamento muito frequente nesta fase de desenvolvimento.

            No entanto, estes comportamentos não são generalizados, o que quer dizer que as fantasias ou preocupações ligadas à sexualidade não sejam uma característica comum.
Características dos órgãos reprodutores masculinos


Gónadas
Testículos
Glândulas ovóides situadas fora da cavidade abdominal, envolvidas por uma bolsa cutânea - escroto. É onde são produzidos os gâmetas (espermatozóides).



Vias Genitais


Epidídimo
Tubo em espiral situado na parte superior de cada testículo.

Canal deferente
Canal que vai do epidídimo, entrando na cavidade abdominal, até à uretra.

Uretra
Canal comum aos sistemas urinário e reprodutor. Percorre interiormente o pénis até ao exterior.

Órgãos exteriores
Pénis
Órgão cilíndrico cuja parte terminal é mais alargada constituindo a glande. Esta é revestida por uma prega cutânea chamada prepúcio

Escroto Bolsa cutânea que envolve os testículos.

Glândulas anexas
Vesícula seminal São responsáveis pela produção de secreções (líquido seminal e prostático) que juntamente com os espermatozóides vão constituir o sémen ou esperma que é ejaculado pela uretra.

Próstata
Características dos órgãos reprodutores femininos


Gónadas
Óvários
Glândulas em forma de amêndoa onde são formados os gâmetas (óvulos).

Vias Genitais
Trompas de Falópio
Canais com 12 a 14 cm de comprimento, que se estendem desde cada um dos ovários até à parte superior do útero. Iniciam-se por uma porção em forma de funil - pavilhão - que envolve parcialmente o ovário.

Útero
Órgão musculoso e oco revestido por uma membrana mucosa chamada endométrio. Divide-se em duas partes: a superior ou corpo, mais volumosa onde vão dar as trompas de Falópio; a inferior, mais estreita, chamada colo ou cérvix que comunica com a vagina.

Vagina
Canal muscular que faz a comunicação do útero com o exterior.

Órgãos exteriores
Vulva
Constituída por dois pares de pregas cutâneas - grandes lábios e pequenos lábios - que envolvem os orifícios vaginal e urinário, bem como o clitóris.
Doenças sexualmente transmissíveis


    As doenças sexualmente transmissíveis (DST), actualmente, são um problema sanitário de primeiro plano, já que, apesar de na maioria dos casos existir cura, todos os anos aumenta o número de pessoas que padecem destas doenças devido à mudança de hábitos sexuais dos jovens e ao aparecimento da SIDA. Além disso, em muitos casos a falta de informação faz com que se desconheçam os sintomas, que se mantêm ocultos, o que contribui para a sua transmissão.




DOENÇA - AGENTE - SINTOMAS - TRANSMISSÃO - PROGNÓSTICO

Gonorreia
Neisseria gonorrhoeae (bactéria)
Inflamação do colo do útero, transtornos menstruais, uretrite no homem, secreção amarelada. Contacto sexual, roupa interior, toalhas. H: esterilidade.
M: inflamação da pélvis, esterilidade e possível cegueira do recém nascido.

Sífilis
Treponema pallidum (bactéria)  
Inicialmente úlceras genitais que não curam. Posteriormente lesões na pele e mucosas. Contacto sexual, via placentária. Lesões no sistema circulatório e nervoso. Malformação ou morte do recém-nascido.


Uretrite e vulvovaginite
Clamydia trachomatis (bactéria)
Corrimento acinzentado, espumoso, com cheiro a peixe. Nos homens, dor ao urinar. Contacto sexual, roupa interior, toalhas. Artrites. Infecções nos olhos, pele e boca.

Herpes genital
Vírus hominis(vírus)  
Lesões vesiculares nos órgãos genitais externos. Contacto sexual. Pode contagiar o feto. Aumenta o risco de cancro do colo do útero.

Hepatite B
Vários tipos de vírus
Lesões hepáticas, hepatite, cirrose. Sangue, esperma, secreção vaginal, via placenta, leite materno, saliva. Produz graves problemas no fígado. Pode causar a morte.

SIDA
VIH(vírus)  
Anemia, febre, perda de peso, alterações imunitárias. Sangue, esperma, secreção vaginal, via placenta, leite materno. Transmite-se ao feto. Infecções generalizadas e morte.

Candidíase
Candida albicans(fungo)  
Picadas ao urinar, comichão, fluxo vaginal muito abundante. Contacto sexual, roupa interior, toalhas, roupa húmida.   Mais frequente na mulher. Não têm consequências.

Tricomoníase
Trichomona vaginalis (protozoário)
Ardor, comichão, fluxo vaginal amarelo. Contacto sexual, roupa interior, toalhas. Infecção urinária na mulher e uretrite no homem.

Pediculose púbica (chatos)
Phtirius pubis (artrópode)
Lesões na pele, picadelas na zona púbica. Falta de higiene, lençóis, toalhas, contacto sexual. Sem consequências se desparasitar a pele e desinfectar a roupa em água fervente.